História do Basquetebol · Mundial Masculino · Todos os posts

O Brasil no Mundial de Basquetebol Masculino: história e curiosidades

O Brasil tem uma história muito importante nos Campeonatos Mundiais. Juntamente com os Estados Unidos é o único país a ter participado das quinze edições. Nessas quinze participações o Brasil jogou 122 vezes, obtendo 73 vitórias e 49 derrotas (59,8 % de aproveitamento). Os países com quem mais o Brasil jogou em Mundiais foram: Estados Unidos (11j – 5v – 6d) e Rússia, incluindo União Soviética (10j – 1v – 9d). O maior número de vitórias brasileiras foi contra Porto Rico (7 em 8 jogos).

Dos países participantes, o Brasil ainda não enfrentou em Mundiais a Croácia, Tunísia, Irã e Nova Zelândia, sendo que os dois primeiros países estão em nossa chave no mundial da Turquia.

Na história dos Mundiais o Brasil obteve dois títulos (1959 e 1963), dois vices (1954 e 1970), dois terceiros (1967 e 1978), dois quartos (1950 e 1986), um quinto (1990), um sexto (1974), dois oitavos (1982 e 2002), um décimo (1998), um décimo primeiro (1994) e um décimo sétimo (2006).

No título de 1959, no Chile, o Brasil obteve 6 vitórias (Bulgária, Canadá, Estados Unidos, Formosa, México e Porto Rico) e 2 derrotas (ambas para a União Soviética). O título foi obtido em função da desclassificação da União Soviética devido à negativa desse país em enfrentar Formosa.

Já em 1963, no Rio de Janeiro, o Brasil sagrou-se campeão invicto ao derrotar as equipes da França, Itália, Porto Rico, Iugoslávia, União Soviética e Estados Unidos.

Esses campeonatos consagraram a chamada “Geração Dourada” do nosso basquetebol que também conquistou duas medalhas olímpicas (1960 em Roma e 1964 em Tóquio). Fizeram parte dessa geração jogadores como Wlamir, Amaury, Rosa Branca, Mosquito, Sucar, Ubiratã, Waldemar, Jathir, Victor, Edson Bispo, Pecente, Otto, Zezinho, Fernando Brobó, Waldyr Boccardo, Algodão, Paulista, Fritz e Menon. Oito técnicos comandaram nossa seleção: Kanela, Daiuto, Hélio Rubens, Ary Vidal, Edvar Simões, Edson Bispo, Ênio Vechi e Lula Ferreira.

A maior vitória brasileira aconteceu no mundial das Filipinas, em 1978, quando vencemos a China por 154 a 97. Foi também a maior diferença de pontos obtida pelo Brasil: 57. A melhor média de pontos da equipe foi em 1990, na Argentina quando chegamos aos 100,3 pts/jogo. A maior derrota ocorreu no mundial da 1986, na Espanha, quando perdemos da Iugoslávia por 117 a 91.

As melhores médias de pontos do Brasil são contra a China (119,5 em 4 jogos) e Grécia (95,0 em 4 jogos). Já os adversários que mais pontuaram, em média, contra o Brasil foram: Grécia (95,8 em 4 jogos) e Iugoslávia (90,6 em 8 jogos).

Um dos momentos mais emocionantes do nosso basquetebol aconteceu na disputa do terceiro lugar no mundial das Filipinas, em 1978, quando vencemos a Itália com um arremesso do meio da quadra de Marcel, “on the buzzer”.

O Brasil na Turquia

Para o Mundial da Turquia o Brasil contará com a seguinte equipe: Marcelo Huertas, Nezinho, Raul, Marquinhos, Marcelo Machado, Leandrinho, Alex Garcia, Guilherme Giovanoni, Anderson Varejão, J.P. Batista, Murilo e Tiago Spliter.

Técnico: Ruben Magnano;    Assistentes: Fernando Duró  e José Alves Neto;    Médico: Carlos Andrioli;    Prep. Físico: Diego Jeleilate;    Fisioterapeutas: Felipe Tadiello e Guilherme Peixoto;    Diretor: Vanderley Mazuchini

Nossos jogos na primeira fase (horário da Turquia – 6 horas a mais):

Dia 28 – 21:30 – Irã;   Dia 29 – 21:30 – Tunísia;   Dia 30 – 21:30 – Estados Unidos;   Dia 1 – 21:30 – Eslovênia;   Dia 2 – 21:30 – Croácia. Todos os jogos serão em Istambul.

Desejo sorte a toda equipe e que nosso basquetebol possa recuperar parte do prestígio perdido nos últimos ano

Anúncios

2 comentários em “O Brasil no Mundial de Basquetebol Masculino: história e curiosidades

  1. Prezado Luan

    Gostaria de solicitar que mantivesse a educação ao se manifestar neste blog. Se não concorda ou não gosta do conteúdo é um direito que lhe assiste. Mas respeite as pessoas que visitam este espaço que procura dar informações àqueles que apreciam o basquetebol.

    Não o conheço e por isso mesmo não lhe dou o direito de se manifestar de forma tão desrespeitosa e mal educada. Aliás você estará prestando um favor se não continuar visitando o blog.

    Atenciosamente

    Prof. Dr. Dante De Rose Junior
    Administrador do blog vivaobasquetebol.

Os comentários estão fechados.