História do Basquetebol · Jogos Olímpicos · Opinião do autor · Todos os posts

Dream Team: original vs genéricos

Aproveitando o final de semana dos “All Star Game” da NBA e o ano olímpico vamos falar um pouco do “Dream Team”.

Em 1992, quebrando uma tradição olímpica secular, os profissionais do basquetebol, finalmente puderam participar dos Jogos Olímpicos.

Evidentemente pressionados pelos fracassos em competições anteriores (Pan Americanos de 87, Jogos Olímpicos de 88 e Mundial de 90), os americanos pressionaram as autoridades do basquetebol para que os jogadores da NBA pudessem também participar desses eventos. Muito justo, pois os demais países participavam com suas forças máximas e com muitos atletas recebendo altos salários em seus países.

Então, em 1992, os Estados Unidos resolveram dar ao mundo uma demonstração do que havia de melhor no basquetebol, enviando uma equipe que se notabilizou pela quantidade de astros inigualáveis e que foi chamada de “Dream Team”.

A partir de então toda seleção americana convocada para Mundiais e Jogos Olímpicos passou a ser denominada “Dream Team” (pelo menos aqui no Brasil). Sinceramente acho isto um exagero, pois Dream Team foi um só. Os demais não passam de genéricos, a despeito da inegável qualidade de seus integrantes.

Analisando os resultados de todos os “Dream Teams” veremos que o original passeou em Barcelona, enquanto que os demais quando venceram suas competições não tiveram tanta facilidade. Isto se deveu ao fato de que a qualidade dos jogadores convocados não se alinhava com aquele primeiro time e também por conta da evolução dos adversários que também passaram a utilizar jogadores da NBA, como no caso da Espanha e Argentina.

Deve-se também lembrar que, em 2002, o time americano decepcionou ao ficar somente em sexto lugar no Mundial realizado em Indianápolis e em 2004 obteve a medalha de bronze depois de ser derrotado na semifinal pela Argentina que viria a ser a grande campeã. O “Dream Team” de 2004 foi apelidado de “Nightmare Team” (Time dos Pesadelos).

Mas para ilustrar meu ponto de vista, mostro alguns dados sobre a campanha dos “Dream Teams” nos Jogos Olímpicos a partir de 1992.

1992 – Jogos Olímpicos – Barcelona

Equipe: David Robinson, Pat Ewing, Larry Bird, Scotty Pippen, Michael Jordan, Clyde Drexler, Karl Malone, John Stockton, Chris Mullin, Charles Barkley, Magic Johson e Chris Laetnner (único universitário da equipe). Técnico: Chuck Daily

Campanha: 8v 0d – pts/jogo: 117,2

Classificação final: Campeão (final vs Croácia – 117×85)

Obs: Vitória contra o Brasil – 123×87

1996 – Jogos Olímpicos – Atlanta

Equipe: Charles Barkley, Grant Hill, Anfernee Hardaway, David Robinson, Scotty Pippen, Mitch Richmond, Reggie Miller, Karl Malone, John Stockton, Shaquille O´Neal, Gary Payton, Hakeem Olajuwon. Técnico: Lenny Wilkens

Campanha: 8 v 0d – pts/jogo: 102,0

Classificação final: Campeão (final vs Iugoslávia – 95×69)

2000 – Jogos Olímpicos – Sydney

Equipe: Steve Smith, Jason Kidd, Allan Houston, Alonzo MOurning, Tim Hardaway, Vince Carter, Kevin Garnett, Vince Baker, Ray Allen, Antonio McDyess, Gary Payton, SHareef Abdus Rahim. Técnico: Rudy Tomjanovich

Campanha: 8v 0d  – pts/jogo: 95,0

Classificação final: Campeão (Final vs França – 85×75)

2004 – Jogos Olímpicos – Atenas

Equipe: Allen Iverson, Stephon Marbury, Dwayne Wade, Calos Boozer, Carmelo Anthony, Lebron James, Norbuisi Okafor, Shawn Marion, Amare Stoudemire, Tim Duncan, Lamar Odon, Richard Jefferson. Técnico: Larry Brown

Campanha:  5v 3d– pts/jogo 88,1

Classificação final: 3º (Derrotas para P.Rico 73×92; Lituânia 90×94 e Argentina 81-89)

2008 – Jogos Olímpicos – Beijing

Equipe: Carlos Boozer, Jason Kidd, Lebron James, Deron Williams, Michael Redd, Dwyane Wade, Kobe Bryant, Dwight Howard, Chris Bosh, Chis Paul, Tayshaun Prince, Carmelo Anthony. Técnico: Mike Krzyzewiski

Campanha: 8v 0d – pts/jogo: 106,2

Classificação final: Campeão (Final vs Espanha 118×107)

            Para os Jogos de Londres, mais um “Dream Team“ foi anunciado com a pré convocação dos seguintes atletas da NBA: Chris Paul, Deron Williams, Kobe Bryant, Dwyane Wade, Lebron James, Carmelo Anthony, Chris Bosh, Dwight Howard, Derrick Rose, Chauncey Billups, Russell Westbrook, Eric Gordon, Kevin Durant, Rudy Gay, Andre Iguodala, Kevin Love, Lamar Odom, Tyson Chandler, Blake Griffin and LaMarcus Aldridge.

Vamos esperar e torcer para que, independentemente, de ser um “Dream Team” ou não, tenhamos um espetáculo de basquetebol digno das tradições do nosso maravilhoso esporte.

O verdadeiro “Dream Team”

Anúncios