Jogos Olímpicos · Todos os posts

O Basquetebol Masculino nos Jogos Olímpicos de Londres

Também foram definidos os grupos do Basquetebol Masculino nos Jogos Olímpicos de Londres.

As últimas três vagas foram obtidas no Pré-Olímpico de Caracas (Venezuela) pela Rússia, Lituânia e a grande surpresa Nigéria, que eliminou a Grécia, depois de ter vencido a própria Lituânia na fase de grupos.

Após o sorteio que definiu a inserção desses países nos grupos já formados, os grupos ficaram assim compostos:

A – Brasil, Rússia, Austrália, Espanha, China e Grã Bretanha

B – Estados Unidos, Argentina, França, Lituânia, Nigéria e Tunísia.

A princípio, o grupo A parece ser o mais equilibrado e consequentemente o mais difícil, já que, à exceção da Grã Bretanha todos os países deste grupo têm uma tradição internacional considerável. Já no grupo B, os americanos são os francos favoritos, enquanto que França, Argentina e Lituânia aparecem como os mais prováveis classificados. Mas não podemos ignorar a Nigéria que poderá repetir a surpresa de Caracas. A Tunísia parece ser a única equipe totalmente descartada da disputa por uma das vagas à fase de quartas de final neste grupo.

Participações e classificações

Os Estados Unidos é o maior participante dos Jogos Olímpicos e também seu maior vencedor. Foram 16 participações com 13 medalhas de ouro, uma de prata e duas de bronze. O Brasil participou de 13 edições dos Jogos e obteve 3 medalhas de bronze. A Rússia (também computadas as participações como União Soviética e CEI) participou em 12 edições dos Jogos e obteve duas medalhas de ouro, 4 de prata e 3 de bronze. A Austrália também esteve presente aos Jogos por 12 vezes e sua melhor colocação foi um 4º lugar. A Espanha, medalha de prata por duas vezes, participou de 10 edições dos Jogos, enquanto que a China esteve presente em 7 e seu melhor resultado foi um 8º lugar. A França com 7 participações, obteve suas medalhas de prata. Argentina e Lituânia estiveram nos Jogos por 5 vezes. Os argentinos foram medalha de ouro e bronze por uma vez e os lituanos obtiveram 3 medalhas de bronze. A Grã Bretanha participou somente em 1948, quando os Jogos foram em Londres e obtiveram a 20ª colocação. Nigéria e Tunísia são os estreantes nos Jogos de 2012.

Número de jogos, vitórias e derrotas

Os Estados Unidos é a equipe mais vitoriosa dos Jogos – 120 em 125 jogos. A Rússia tem 70 vitórias e 24 derrotas; Brasil 57 vitórias e 43 derrotas; Austrália 44 vitórias e 47 derrotas; Espanha 42 vitórias e 36 derrotas; Lituânia 28 vitórias e 12 derrotas; França 25 vitórias e 23 derrotas; Argentina 23 vitórias e 15 derrotas; China 18 vitórias e 42 derrotas e Grã Bretanha 1 vitória e 7 derrotas.

 Ranking FIBA

O ranking da FIBA traz os Estados Unidos na liderança, seguidos por Espanha e Argentina. Seguem: Lituânia – 5º; Austrália – 9º; China – 10º; Rússia – 11º; França – 12º; Brasil – 13º; Nigéria – 21º; Tunísia – 32º e Grã Bretanha – 43º.

O Brasil

O Brasil participou de 13edições dos Jogos Olímpicos (1936, 1948, 1952, 1956, 1960, 1964, 1968, 1972, 1980, 1984, 1988, 1992 e 1996), obtendo o bronze em 19648, 1960 e 1964. Realizou 100 jogos, com 57 vitórias (aproveitamento de 57,0%).

Contra as equipes de seu grupo o Brasil tem um retrospecto pouco positivo. São 9 vitórias e 14 derrotas ( Rússia – 1/8; Austrália – 3/3; China – 3/0; Espanha – 1/3; Grã Bretanha – 1/0). Em relação aos países do grupo B o Brasil jogou contra Estados Unidos – 0/9; Argentina – 0/1 e França – 2/1 e Lituânia – 0/1, com um total de 2 vitórias e 12 derrotas.

A média geral do Brasil nos Jogos Olímpicos foi de 75,8 pts a favor e 71,8 pts contra. Nas vitórias a média foi de 81,9 x 65,1, enquanto que nas derrotas a média foi de 67,8 x 80,7.

Contra as equipes que participarão dos Jogos Olímpicos de 2012 as médias são as seguintes:

Rússia (66,1×74,3); Austrália (81,7×77,2); China (82,7×66,0); Espanha (90,8×99,5); Grã Bretanha (76,0×17,0); Estados Unidos (64,7×89,9); Argentina (56,0×72,0); França (64,0×57,7); Lituânia (96,0×114,0).

Opiniões

Algumas pessoas significativas do basquetebol masculino brasileiro emitiram suas opiniões sobre a disputa em Londres.

Luiz Cláudio Menon (atleta olímpico em 1968 e 1972)

Acompanhei alguns jogos do pré-olímpico e fiquei surpreso com os representantes do continente africano. É bem verdade que dos doze nigerianos, nove são nascidos nos EEUU e jogam em universidades daquele país. O time russo é muito bom, alto, forte e com aproveitamento de arremessos de 3 pontos incrível. Como já tinha explicitado minha opinião sobre Austrália, China, Espanha e agora Rússia imagino que os jogos do nosso grupo serão muito difíceis. Entretanto, também assisti Brasil contra a Argentina, em Buenos Aires, o que me permite dizer que nossa seleção está marcando muito forte e com bom aproveitamento ofensivo. Vale ressaltar que não contamos com o Nenê e com o Marquinhos. Louve-se o trabalho do Ruben. Estou otimista de uma grande campanha. Medalha? “Only God Knows”

Sérgio Machado (Sérgio Macarrão – atleta olímpico em 1964, quando obteve a medalha de bronze e em 1968)

Como já falei antes, creio ser muito difícil fazer previsões. É um torneio de jogos muito próximos e vencer, dá moral para vencer de novo. Precisaremos vencer China, Grã Bretanha, e Austrália no grupo. Perdendo da Austrália passamos a correr risco de cruzar com os EEUU nas quartas de final. Se vencer a Rússia também, melhora, mas pouca diferença faz, já que do lado de lá, o 2º, o 3º e o 4º serão pedreiras. Continuo achando que quem vai sofrer são os argentinos. Eles estão menos fortes , com uma equipe envelhecida. Me preocupa as contusões de brasileiros. Se estivermos “completos e inteiros”, temos chance de chegar a uma semifinal e a partir daí tudo pode acontecer.

Essa geração vem ‘prometendo’ faz tempo. A hora é essa. Mesmo porque para alguns, provavelmente será a despedida. Vamos torcer, para que a bola caia desde o início e que a moral cresça. Se estivermos confiantes tudo é possível.

Marcelo Vido (atleta olímpico em 1980 e 1984)

Quanto aos grupos dos Jogos Olímpicos, minha opinião é que o Brasil disputará, com igualdade de condições, com a Espanha e Rússia as 3 primeiras colocações. Quanto ao outro grupo, os EUA sairão em primeiro e  a Argentina e a França disputando o segundo e terceiro colocado e Lituânia em quarto. Dessa forma, o Brasil ficando em primeiro do grupo jogaria com a Lituânia, e se ficar em segundo ou terceiro jogaria com a Argentina ou França.

Juarez Araújo (Jornalista especializado em Basquetebol)

Fazia muito tempo que o basquete masculino não ia às Olimpíadas. Foram 16 anos de ausência. E fazia mais tempo ainda para que o sonho de uma medalha estivesse tão perto. Com sabedoria, o técnico Rubén Magnano conseguiu reunir o que o Brasil tem de melhor para jogar em Londres. Conseguiu também com habilidade fazer com que o grupo de jogadores jogasse com uma equipe. O basquete solidário tão elogiado pela Geração Dourada do nosso basquete é uma realidade na defesa e no ataque. E isso faz com que possamos sonhar novamente em uma ótima colocação. E que essa colocação seja uma medalha. Afinal qual é o país que tem o luxo de ter quatro jogadores da NBA? Avante meninos.

Carlos Osso (Dirigente)

Sendo uma Olimpíada, os dois grupos são muito competitivos. Penso que a equipe do Brasil completa, sem nenhuma contusão, vai obter uma classificação para as oitavas de final. Na chave do Brasil classificam-se Espanha, Rússia e Inglaterra, mas terão
que ter muito cuidado com Austrália. Na outra chave Estados Unidos, Argentina, França e Lituânia, os da África já fizeram muito. Dai para frente depende de colocações de cada equipe. Os Estados Unidos são favoritos para o Ouro os outros vão brigar por duas medalhas. Penso que Brasil tem muita chance de medalha, mas como disse vai depender da condição física de cada atleta.

Vamos torcer para que o basquetebol masculino brasileiro retorne em grande estilo, nos dê muitas alegrias e, se possível, lute por uma medalha.

Anúncios

Um comentário em “O Basquetebol Masculino nos Jogos Olímpicos de Londres

  1. Creio que tirando os jogos dos EUA todos os outros serão bastante eqilibrados e decididos nos detalhes. O Brasiltem boas chances mas depende da hora H, pois no último Mundial jogamos bem mas na hora de decidir……………………………….

Os comentários estão fechados.