Colaboradores · Formação Esportiva

O instrutor de minibasquete

Amigos do Basquetebol

É com grande alegria que trago uma colaboração do Prof. Maurízio Mondoni uma das maiores autoridades mundiais do Minibasquete. Mondoni participa de clínicas por todo o mundo e tive a honra e o prazer de compartilhar com ele  clínicas durante o Mundial da Argentina em 1990.

O texto apresentado foi publicado originalmente no blog do Prof. Mondonihttp://maurizio-mondoni.blogspot.com.br/2013/02/el-instructor-de-minibasket-i.html e foi por ele autorizado para que pudéssemos reproduzí-lo traduzido. Aproveitem este momento. Ele é especial.

“A competência não é somente a teoria ou somente a técnica. Ela é uma unidade indissolúvel entre teoria e técnica” (Maurízio Mondoni)

Atualmente, ser instrutor de Minibasquete significa, substancialmente, possuir o conhecimento e a cometência irrenunciável e indispensável para atuar no âmbito de um projeto educativo-esportivo (jogo-esporte) dedicado às crianças de 5 a 11 anos.

Se você é um bom instrutor de minibasquete não é tanto pelo que se exercita a teoria (conhecimento) e os procedimentos (habilidades) necessários para realizar um excelente trabalho, mas porque estes são nossos modos atuais de ser.

A figura do instrutor de minibasquete tem crescido nos últimos anos, os conhecimentos e o profissionalismos dos que trabalham  com as crianças na quadra  também melhoraram e o instrutor se converteu em um ponto de referência no movimento do minibasquete.

O significado do Instrutor como educador e a consciência da importância da intervenção no processo educativo da criança por parte do bom instrutor são a esperança de todos e o fruto de um grande esforço relacionado com a formação e a atualização dos instrutores.

Aqueles que não compreendem ou compartilham o significado de “educar” utilizando o minibasquete como um meio para alcançar suas expectativas egoístas está fora deste movimento.

O que significa ensinar educando?

  • Instrutor: aquele que instrui, transmite e ensina os conteúdos de uma disciplina esportiva
  • Educador: aquele que educa especificamente o dever moral, transmitindo e ensinando os elementos fundamentais do viver com os demais

A figura do instrutor-educador de minibasquete descreve aquele que, através do jogo-esporte consegue despertar toda a potencialidade da criança. Como instrutor, ele educa a criança ao movimento, desenvolvendo as capacidades motoras e as habilidades específicas do minibasquete. Como educador ele forma a criança através do movimento, desenvolvendo as funções cognitivas, afetivas, emotivas, motoras e orgânicas.

Instrutor-Educador: se nasce ou se faz?

Ambas as coisas. Se nasce no momento em que se possua a motivação e a inclinação necessárias para promover um tipo de aprendizagem e se faz no momento em deve “formar-se” para adquirir a capacidade de promover a aprendizagem de determinada cometência.

Ensinar educando

Significa realizar um conteúdo didático gratificante e rico em interesse. Quem trabalha e se empenha com as crianças deve fazer emergir os conceitos de crescimento e de formação, conceitos muito mais importantes que uma vitória ou uma derrota.

Os requisitos para ser um bom instrutor de minibasquete

  • Motivar as crianças a aprender
  • Ensinar as crianças a utilizar o corpo durante as aulas e jogos
  • Ensinar as crianças a usar a cabeça (pensar) durante os jogos

A arte de ensinar

El arte de enseñar

O instrutor deve ter paciência e esperar com confiança que se realize um correto processo de crescimento das crianças. Para ensinar minibasquete é necessário ser uma pessoa “de verdade” que assuma de coração, com honestidade e entusiasmo o processo educativo e formativo das crianças.
O instrutor de minibasquete deve estar em condições de ensinar, utilizar o método correto de ensino no momento oportuno e deve conhecer o minibasquete e o basquetebol. Não importa o número de exercícios ou jogos. É muito mais importante que ele apresente uma correta evolução didático-metodológica e que tenha bem claros os conceitos e conteúdos daquilo que pretende ensinar.
Organizar as aulas/treinos, programar o trabalho em si, definir os objetivos, adaptar e modificar o conteúdo das aulas/treinos significa colocar uma contínua atenção aos diversos aspectos que determinam a aprendizagem e o desenvolvimento da capacidade motora das crianças.Para intervir de maneira positiva no processo formativo da criança, o instrutor deve estar continuamente informado e atento ao que acontece durante a aula/treino, deve corrigir no momento oportuno e de maneira correta.
às crianças devemos conceder o direito de errar. Evidenciar um erro não significa castigar um comportamento frequentemente vinculado aos diferentes ritmos de aprendizagem das crianças. É a eficácia da correção que difere o bom do mau educador. Além de observar, o professor de Minibasquete deve escutar as crianças, deve estar pronto, disponível e atento para compreender as dificuldades e problemas que os afligem.O instrutor não deve se tornar um psicólogo ou sociólogo, deve atualizar continuamente seus conhecimentos e confrontá-los ao de outros instrutores. Conhecer o que ensina, saber observar e escutar as crianças não é suficiente.

Ensinar significa comunicar-se com as crianças, manter uma relação com elas (empatia) estando ciente que não é possível estar incomunicável, porque o comportamento humano de relação-interação com os demais tem sempre um valor comunicativo (é importante como se comunica e não o que comunica).

Muitas vezes, o instrutor esquece esse aspecto, concentrando demasiadamente sua atenção aos conteúdos da comunicação, omitindo os modos e o tempo da comunicação. Se pode comunicar não somente de maneira verbal, mas também com o corpo, com gestos e com a mímica facial. A linguagem não verbal compreende a modificação da voz, o ritmo e a cadência da linguagem.

Da capacidade de observar, escutar e comunicar nasce a importância de motivar as crianças. As motivações que atraem as crianças às quadras para jogar certamente existem, apesar de que que são os pais que frequentemente determinam qual o caminho formativa devem seguir. As necessidades primárias das crianças são o jogo e a confrontação com seus pares, integrados por motivos de autorrealização e afiliação.

O instrutor deve satisfazer essas necessidades, demonstrando competência e conhecimento do Minibasquete e atenção aos aspectos psico-pedagógicos do ensino. Também neste caso emerge a importância significativa de programa de maneira correta, ensinar e estimular de maneira contínua e positiva as crianças.

A proposta metodológica do Minibasquete deve ir do “fácil ao difícil”, “do conhecido ao desconhecido” e do “simples ao complexo”, evitando situações frustrantes que desmotivam a criança e a levam a abandonar a atividade motora e esportiva.

Obs: Meus sinceros agradecimentos ao Prof. Maurízio Mondoni por ter permitido que suas ideias pudessem ser compartilhadas com os técnicos brasileiros.

 

Anúncios

3 comentários em “O instrutor de minibasquete

  1. Prof.Dante,eu aprendi diferenciar crescimento e desenvolvimento.Crescimento relaciona-se às valências físicas de altura e pêso,dentro de padrões de normalidade.Desenvolvimento relaciona-se aos conceitos fisiológicos,neuromotores,psicológicos e sociológicos.Assim crescimento e desenvolvimento se completam,ganham caráter holístico.Aprendí ainda, que nenhuma modalidade esportiva tem perfil para atender integralmente aos dois conceitos e suas variantes, de forma integral, acima citados.Portanto dos 5 aos 11 anos( fase de crescimento e desenvolvimento com padrões/exigências diferentes de outras fases) ao se ensinar minibasket deve-se acima de tudo, ministrar aula de educação física usando a ferramenta/instrumento basket-ball.

  2. O que falta ainda são cursos voltados para este público-aluno de 5 a 11 anos pois é uma faixa etária importantíssima para se desenvolver todas as situações lúdicas, esportivas, coordenativas e assim podendo usar o minibasquete como instrumento de desenvolvimento e crescimento como disse nosso colega acima José Fiorizi.

Os comentários estão fechados.