Formação Esportiva

O treinador de basquetebol: pedagogo e psicólogo

Amigos do Basquetebol.

Trago mais uma contribuição sobre o papel dos treinadores na condução de equipes de base.

O dinamismo do jogo de basquetebol, representado pelas inúmeras possibilidades de ações (sejam elas defensivas ou ofensivas), leva os jogadores a enfrentar situações onde a atenção, a concentração e a tomada rápida de decisões tornam-se capacidades fundamentais para o sucesso dos mesmos.

Essas situações são permeadas por regras que limitam as ações dos jogadores como o tempo de posse de bola, retenção da mesma, passagem de defesa para ataque, permanência na área restritiva do adversário, limitação do contato entre adversários, entre outras. A instabilidade ambiental no qual o jogo é realizado também contribui para esse dinamismo e para as incertezas provenientes das ações individuais e coletivas, ou seja, a presença do adversário, a movimentação dos companheiros, a participação da arbitragem e as regras já citadas fazem com o atleta utilize focos alternados de atenção, requerendo uma rápida leitura da situação e uma antecipação dos movimentos.   O basquetebol não apresenta dois momentos iguais e isto exige do atleta muita inteligência e criatividade, além dos atributos físicos, técnicos e táticos tão necessários para a prática desse esporte.

Todos esses ingredientes fazem do basquetebol um esporte no qual o treinador assume uma posição fundamental tanto na preparação das equipes, quanto na regência dessas equipes em situação competitiva. Ele deve ser visto como o grande organizador das ações responsáveis pelo sucesso individual e coletivo, e também como o agente capaz de aglutinar todas elas e ainda fazer com que seus atletas controlem suas emoções para poder desempenhar de forma convincente e eficiente.

Os treinadores, especialmente aqueles envolvidos com o trabalho formativo, devem ter uma preparação mínima já que vão trabalhar com jovens que têm somente um conhecimento básico do esporte que irão praticar. Sem dúvidas, o treinador que atua na iniciação esportiva que deve ter uma formação sólida que lhe sirva de instrumento para planejar o ensino do esporte respeitando as etapas evolutivas desses jovens.

No âmbito pedagógico o papel do treinador deve transpassar a simples barreira do ensinar movimentos específicos ou movimentações táticas para suplantar os adversários. As ações pedagógicas direcionadas principalmente para a formação esportiva sugerem o domínio de várias áreas de conhecimento sobre o indivíduo e sobre a atividade para que sejam aplicadas de forma adequada às necessidades do jovem praticante, respeitando suas caractrísticas.

Entre esses domínios podemos citar o biológico, psicológico, técnico, tático, social e cultural. Ou seja, conhecer a criança nos seus mais diferentes aspectos (físicos, intelectuais, personalidade, inserção social) e a atividade (demandas energéticas, demandas psicológicas, demandas técnico/táticas e impacto cultural da mesma sobre a comunidade) é fator preponderante para determinar a ação pedagógica do profissional que atuará sobre um determinado grupo de jovens.

No âmbito psicológico apesar de vários autores reconhecerem a importância da preparação psicológica, ainda há uma grande falta de sistematização do trabalho e, por que não dizer, falta de conhecimento do impacto dos aspectos psicológicos presentes em uma atividade esportiva, especialmente as de competição, sobre o desempenho e também sobre o comportamento dos atletas.

A realidade esportiva mostra que, na maioria das equipes de base do basquetebol, o treinador também exerce a função de psicólogo, aumentando, desta forma, a carga de responsabilidade sobre as ações de seus atletas e do grupo.

Fica evidente que o treinador deve ter uma participação ativa no processo de formação do jovem, porém provido de conhecimentos suficientes que permitam uma atuação segura e benéfica para os futuros atletas. Esse conhecimento deve ocorrer em quatro domínios:

  • conhecimento do indivíduo com quem se vai trabalhar (sua realidade biológica, psicológica e social)
  • conhecimento da modalidade com a qual irá trabalhar (aspectos físicos, técnicos e táticos)
  • definição adequada de métodos e estratégias de trabalho: planejamento, critérios justos de seleção e de avaliação dos atletas, definição real de objetivos e escolha dos métodos de treinamento e dos exercícios que farão parte desta atividade, entre outros
  • intervenção eficaz no processo (atitudes positivas com o oferecimento de condições adequadas de aprendizagem e estímulo à resolução de problemas e tomadas de decisão)

Em suma, independentemente do nível de atleta com o qual o treinador esteja trabalhando, mas especialmente nas categorias de base, sua concepção pedagógica deve ser voltada para a valorização do ser humano, para o incentivo à prática esportiva livre e para o desenvolvimento de um espírito crítico e cidadão. A partir dessa concepção o esporte será encarado com uma forma saudável de atividade, onde o prazer e a alegria da prática serão predominantes.

Anúncios