Opinião do autor · Todos os posts

Gerações perdidas

Amigos do Basquetebol

Volto a falar do futuro do nosso basquetebol e daquilo que poderia ter sido um presente muito melhor se não houvesse tanto descuido e “des”planejamento no nosso basquetebol.

São as gerações perdidas. Aquelas que passaram e não frutificaram porque não tiveram a oportunidade de participar de eventos de nível mundial.

Essa não participação do Brasil em mundiais nas categorias de base tem um preço muito alto pois vários atletas deixaram de experimentar jogos internacionais contra equipes muito fortes o que só nos traria benefícios.

Tomando como base somente as seleções sub-19 que são aquelas que normalmente alimentam as seleções adultas, o último mundial em que o Brasil participou foi em 2011 obtendo um 10o lugar. Daquela seleção somente um atleta despontou no cenário nacional e internacional: Raulzinho.

Em 2007 o Brasil teve uma grande participação no Mundial sub-19 ocupando a 4a. posição o que poderia supor um grande suporte para nossa seleção adulta. Mas daquela equipe minguém chegou a ela. Mesmo o nosso Paulão Prestes que foi o cestinha daquela competição e apontado como futuro integrante da nossa seleção atingiu o objetivo.

Dos 24 atletas que integraram essas seleções (2007 e 2011), como já disse, somente o Raulzinho chegou à seleção adulta. Muitos desses atletas ainda jogam em clubes. Alguns com algum destaque, outros simplesmente completando as equipes e outros simplesmente sumiram do cenário.

Isto sem falar nas gerações que deveriam er disputado os torneios de 2009 e 2013 nos quais o Brasil não obteve classificação.

Lembro que em 1979 quando ainda era chamado de Mundial Junior o Brasil foi vice campeão e entre os atletas foram revelados para a seleção André, Israel e Sílvi Malvezzi além de outros que tiveram grandes destaques em nível nacional – Guy, Kleber, Wagner, Rudney entre outros.

Em 1983 o Brasil foi bronze e revelou vários atletas para nossa seleção adulta: Paulinho Villas Boas, Fábio Pira, Luiz Felipe, Rolando, Paulo Berger, Zanon, Pipoka e Chuí.

Em 1987, apesar do 10o. lugar atletas como Walter Roese, Fernando Minucci, Alexey e Adriano Bavaresco chegaram à seleção adulta.

Em 1991 fomos 7o. e revelamos Vanderley, Janjão e Rogério. Só voltamos ao Mundial em 1999 quando nossa maior revelação foi Guilherme Giovannonni.

Por que será que não conseguimos revelar atletas para nossas futuras seleções? O que será que este quadro atual revela?

Falta de planejamento, falta de incentivo, falta de investimento, mal trabalho nas categorias de base? Ou tudo isso junto?

Será que em 2016 estaremos falando do mesmo assunto? E em 2019, quem estará lá?

Apenas a título de curiosidade fiz um levantamento dos atletas de equipes que participaram da última Copa do Mundo e que integraram as seleções de base de seus países nos mundias sub-19 de 2007, 2009, 2011 e 2013.

Sérvia – Markovic e Radulica (2007), Bogdanovic (2011)

EUA – Curry (2007), Klay Thompson (2009)

França – Batum, Diot, Jackson e Tilliy (2007) (Ajinça astro francês que não participou desta Copa também fez parte da seleção sub-19 de 2007)

Austrália – Goulding (2007) (Patrick Mills não jogou a Copa do Mundo mas integrava a equipe sub-19 de 2007), Dellavedova, Broekoff e Motum (2009), Exum (2013)

Espanha – Claver (2007)

Grécia – Mantzaris, Papanicolao e Sloukas (2007)

Argentina – Laprovitolla (2009), Delia e Galizzi (2011)

Lituânia – Motiejunas (2009), Valanciunas (2011 – MVP do torneio)

Croácia – Saric e Hezonja (2011)

Esses dados podem ser melhor observados no link http://www.archive.fiba.com/pages/eng/fa/p/fromseason/1930/toseason/2014/q/FIBA%20U19%20World%20Championship%20for%20Men/cid/WMJM/_//events.html

Agradeço o amigo Octávio Lafiacolla pelo envio do link.

 

Anúncios

2 comentários em “Gerações perdidas

  1. fala prof. Acredito que tenha cometido um equívoco, que não invalida sua análise. O Brasil participou do mundial de 2013 – o time foi comandado pelo Demetrius e contava com o Arthur pecus (paulistano), derick (limeira), Lucas dias (pinheiros) e Leo Demetrius (minas – jogador muito talentoso de uma olhada nele se conseguir) Antônio (Franca) entre outros – todos esses jogaram na ultima nbb

    1. Leandro

      Você tem toda a razão. Mas de qualquer forma esses meninos acabam desaparecendo porque não há uma política para montar uma seleção de novos.

Os comentários estão fechados.