Opinião do autor

Para não perder mais tempo (e nem gerações)

Amigos do Basquetebol

Tivemos recentemente a primeira fase da LDB (Liga de Desenvolvimento de Basquete). Vinte e quatro equipes disputando um excelente campeonato e procurando mostrar ao Brasil o que há de melhor no basquetebol com jovens até 22 anos.

Acompanhando esta competição desde seu início (esta é a terceira edição), posso observar uma melhora concreta de muitas equipes, tanto no aspecto técnico-tático, quando nas questões referentes ao extra-quadra.

O objetivo da LDB, como diz seu nome, é desenvolver. E desenvolver não diz respeito somente às melhoras nos fundamentos e sistemas. Diz respeito também ao comportamento desses meninos fora da quadra. Eles estão entendendo o que isto significa.

Postura de equipe. Postura adequada nos hoteis e locais onde a competição acontece. Respeito às suas instituições e à competição.

Quando vejo toda uma equipe fazendo as refeições uniformizada, fico feliz. Parece uma bobagem, mas isto expressa muito o espírito da LDB.

Tenho que ressaltar o trabalho incansável dos técnicos (dentro e fora da quadra) para incutir na cabeça desses jovens esse espirito. E parece que o resultado está claro.

E, a partir desta evolução, volto a defender uma ação pontual em relação ao futuro de muitos desses jovens que demonstram estarem rumando para um caminho positivo e que merece reconhecimento.

Muitos deles já atuam em suas equipes adultas no NBB, Liga Ouro e nos campeonatos regionais e estaduais. São jovens com muita qualidade e que podem, se devidamente conduzidos e motivados, se tornar o futuro do nosso basquetebol.

Também são jovens “desconhecidos” que possuem as mesmas qualidades e que merecem ser observados e ter uma oportunidade de brilhar.

Para isto tenho insistido em dar a jovens promissores uma oportunidade de participar de competições fortes e estabelecer contato com outra realidades.

Por que não elaborar programas de treinamentos especiais com os destaques da LDB? Por que não dar a esses jovens a oportunidade de, como grupo representativo da LDB, realizar jogos contra equipes estrangeiras (a Argentina é tão perto…) para adquirir experiência internacional?

Isto custa dinheiro? Sim. Mas acredito ser um investimento necessário para que possamos ter novas gerações de atletas que possam representar o Brasil em um futuro muito próximo.

Espero que isto possa acontecer, para que eu não tenha daqui a quatro ou cinco anos voltar a escrever sobre “Gerações Perdidas”. (https://vivaobasquetebol.wordpress.com/2014/10/22/geracoes-perdidas/

Em tempo: acabamos de vencer de forma invicta o Campeonato Sul-Americano sub-15. Que tal ficarmos de olho nessa turminha e não perdermos tempo em prepará-los para o futuro?

Anúncios