Colaboradores · História do Basquetebol

Moacyr Brondi Daiuto: acemista de Alma, Corpo e Mente

Amigos do Basquetebol

Dando sequência às comemorações do centnário do Prof. Moacyr Daiuto trago o depoimento do  Jornalista / Analista de Comunicação da ACM / YMCA São Paulo, Fernando Piovezam.

“Ao discorrer sobre o Basquete no Brasil, é praticamente impossível não mencionar a dedicação, o comprometimento e o amor de Moacyr Brondi Daiuto e da Associação Cristã de Moços de São Paulo para com a modalidade esportiva, ambos responsáveis pela disseminação do esporte em solo nacional.

Assim, para compreender a importância do eterno acemista Daiuto na missão de colocar o Basquete e a atividade física como destaques para a manutenção da saúde, bem-estar e qualidade de vida, se faz necessário estudar ambas as biografias, uma vez que elas se complementam e ajudam a explicar o pioneirismo esportivo inato em cada um.

Ao passo em que o Movimento Acemista criou o Basquete, em 1891, trazendo-o a São Paulo em 1912, sendo o Brasil o primeiro país da América do Sul a conhecê-lo, Moacyr Daiuto iniciava suas atividades físicas na ACM / YMCA São Paulo, em 17 de março de 1928, prestes a completar 13 anos de idade.

Na época, foram os educadores quem instigaram Daiuto a praticar o Basquete, concomitantemente às aulas de Calistenia, e transmitiram a ele o quão salutar é praticar exercícios físicos e, sobretudo, o “Bola ao Cesto”, como o esporte era conhecido.

Dessa forma, a paixão por esta modalidade foi certeira e rendeu frutos ao ex-atleta, que conquistou sua primeira medalha em 1929, na ACM / YMCA São Paulo, unidade Centro, cujo ginásio é tido como um dos primeiros cobertos da cidade.

Ou seja, a Associação Cristã de Moços foi quem transmitiu o amor pela atividade esportiva ao saudoso Moacyr Brondi Daiuto. Além disso, sua opção por seguir uma carreira na área de Educação Física também foi influenciada pela Instituição. Pudera, foram mais de 60 anos de dedicação à ACM / YMCA São Paulo, que lhe renderam o título de associado mais antigo.

Ao longo desses anos, Daiuto, sempre exercendo sua vocação de líder, integrou o Departamento de Menores e Jovens; participou de cursos de liderança; ministrou palestras sobre esportes; atuou como diretor executivo da unidade Centro, em 1945 e 1946, tendo a oportunidade de administrar toda a área de Educação Física durante os anos de 1966 a 1969; e continuou como acemista de coração, dedicando-se, incansavelmente, à Instituição, até o seu falecimento, em 29 de julho de 1995.

O ilustre acemista recebe, anualmente, diversas homenagens da ACM / YMCA São Paulo, como forma de preservar sua memória e relevância ao esporte brasileiro. Todo 19 de julho, Dia Municipal do Basquete, data de seu nascimento, a Instituição se organiza para rememorar seu legado que, aliás, encontra espaço na unidade Centro, em um memorial criado exclusivamente para abrigar seu acervo de medalhas, inclusive a Olímpica, doadas pela sra. Loyde del Nero Daiuto. Para conferi-lo, basta comparecer à rua Nestor Pestana, 147 – Consolação – São Paulo / SP – 5º andar.

Ele merece todas as honras, porque é sinônimo de vitória e orgulho para a ACM / YMCA São Paulo. Não por ter conquistado a primeira medalha olímpica para o Brasil, ou por ser um grande destaque no esporte nacional, mas por ser exemplo de um profissional que sempre colocou amor em tudo o que se propôs a fazer, cativando a admiração e respeito de todos os que tiveram a oportunidade de conviver com um acemista de Alma, Corpo e Mente.”

Prof. Moacyr Brondi Daiuto - ACMista de coração
Prof. Moacyr Brondi Daiuto – ACMista de coração

OBS: os textos de colaboradores são de inteira responsabilidade dos mesmos, não sofrendo qalquer modificação por parte do editor.

 

 

 

 

 

 

Anúncios