NCAA

NCAA: Final Four 2016

Amigos do Basquetebol

No próximo final de semana (2 e 4 de abril) teremos a decisão do Campeonato Universitário Norte-Americano.

Villanova x Oklahoma e North Carolina x Syracuse se enfrentarão  para definir os dois finalistas. Kansas, número um do ranking perdeu a vaga ao ser derrotada por Villanova na final da região Sul. O jogo mais emocionante foi a final da região Meio Oeste quando Syracuse após estar perdendo por 16 pontos, virou o jogo e bateu a Universidade de Virgínia, cabeça de chave número um da região.

No ranking geral North Carolina ocupa a terceira colocação, enquanto Villanova é a sexta e Oklahoma a sétima. Syracuse, não classificada entre as 25 melhores universidades nesta temporada surpreendeu.

Mas a grande surpresa mesmo ficou por conta de Mchigan State, segunda colocada no ranking geral, que perdeu na primeira rodada para a desconhecida Midle Tenessee.

Entre as quatro equipes somente Oklahoma nunca venceu o torneio, cehgando ao vice campeonato em 1988.

North Carolina chegou a 7 finais, vencendo 5, a última em 2009.

Syracuse venceu em 2003 e obteve dois vices.

Villanova foi campeã em 1985 e ainda conseguiu um vice campeonato.

Com certeza teremos um final de semana repleto de emoções.

Vale a pena conferir.

Anúncios
História do Basquetebol · NCAA · Todos os posts

March Madness: começa a corrida pelo título do Basquetebol universitário Norte-americano

Amigos do Basquetebol

Começa a corrida pelo título do Basquetebol universitário Norte-Americano. É o chamado March Madness.

Sessenta e quatro equipes lutam em eliminatória simples para chegar ao Final Four que será realizado em Houston nos dias 2 e 4 de abril.

No ano passado a tradicionalíssima Duke do Coach K venceu Wisconsin (68-63) tornando-se campeão pela quinta vez (a terceira maior vencedora do torneio).

Neste ano, universidades tracicionais como UCLA e Georgetown estão fora da disputa.

As 64 equipes são divididas em quatro regiões e os cabeças de chave são: Kansas e Villanova (Sul); North Carolina e Xavier (Leste); Oregon e Oklahoma (Oeste) e Virginia e Michigan State (Meio Oeste).

As zebras sempre aparecem e são chamadas de “Cinderella”. em 2010 e 2011 Butler tornou-se a maior “Cinderella” chegando às duas finais, perdendo para Connecticut e Duke, respectivamente.

Curiosidades sobre o torneio:

  • Este é o 79o.torneio
  • O primeiro campeão foi Oregon que venceu Ohio State (46×33). O técnico foi Howard Hobson.
  • Maiores vencedores: UCLA (11); Kentucky (8); Duke, Indiana e North Carolina (5)
  • Os maiores técnicos vencedores: John Wooden (UCLA – 10); Coach K (Duke – 5); Adolph Rupp (Kentucky – 4); Bobby Knight (Indiana – 3)
  • Sessenta e uma equipes chegaram às finais. Os maiores finalistas (campeão/vice): UCLA (11/3); Kentucky (8/4); Duke (5/6); North Carolina (5/4); Kansas (3/6)
  • O menor placar de uma final aconteceu em 1941 (Wisconsin 39 x 34 Washington State). E o maior aconteceu em 1990 (UNLV 103 x 73 Duke)
  • Nas 79 edições anteriores somente 3 universidades conseguiram vencer o torneio em sua própria casa: UCLA (68 e 72); North Carolina State (1974) e Kansas (1988)
  • Vinte e oito cidades receberam o Final Four. Kansas e Indianapolis (7 vezes); Louisville (6) e New Orleans (5) foram as cidades que mais vezes promorem o Final Four.
  • Quatro universidades foram campeãs com campanhas invicta: UCLA – 30/0 em 1964, 1967, 1972 e 1973); North Carolina State (32/0 em 1957); Indiana (32/0 em 1976) e San Francisco (29/0 em 1956)
  • Os campeões com as piores campanhas: Coneccticut (32/9 em 2011 e 32/8 em 2014); Kansas (27/11 em 1988); North Carolina State (26/10 em 1983); Villanova (25/10 em 1985) e Indiana (26/9 em 1981)
  • Em 7 oportunidades ocorreu prorrogação no jogo final: 1944 (Utah 42 x 40 Dorthmount); 1957 (North Carolina 54 x 53 Kansas); 1961 (Cincinatti 70 x 65 Ohio State); 1963 (Loyolla 60 x 58 Cincinatti); 1989 (Michigan 80 x 79 Setton Hall); 1997 (Arizona 84 x 79 Kentucky); 2008 (Kansas 75 x 68 Memphis)
  • 12 pontos foi a diferença mais recorrente no jogo final – 8 vezes; 5 pontos  – 7 vezes; 1 e 6 pontos – 6 vezes

Então façam suas apostas. Eu vou de Michigan State em homenagem ao meu ídolo Magic Johnson.

 

Formação Esportiva · Todos os posts

Pais de atletas: tipos

Amigos do Basquetebol

Todos sabem da importância dos pais na prática esportiva das crianças e jovens. O envolvimento é grande e pode levar a atitudes extremas tanto para atrapalhar, quanto para contribuir para o correto desenvolvimento esportivo dos filhos.

Trago a vocês uma contribuição sobre o assunto, retirada de um “folder” da Secretaria de Estado do Desporto e Juventude de Portugal que me foi dado pela amiga Lilian Gonçalves, ex-atleta olímpica e uma das responsáveis pela organização e realização  Liga de Desenvolvimento de Basquete da LDB.

A pergunta é:

“Que tipo de pais são vocês?”

Pais que gritam muito

            Centram a sua atenção em coisas negativas e estão sempre gritando com os atletas, contra os árbitros e treinadores. Estes pais devem aprender a observar as coisas positivas da prática esportiva, fazendo um esforço para ignorar os erros que cometem.

Pais que apoiam em excesso

São demasiadamente exuberantes, prestando um apoio tão intenso que chegam a atrapalhar os próprios filhos. Com tais comportamentos chegam a irritar os treinadores, os demais atletas e mesmo os outros espectadores. Estes pais devem aprender a ser mais calmos e mais contidos no seu entusiasmo.

Pais treinadores

Passam a vida a anotar, filmar e analizar o desempenho de seus filhos. Revivem todas as provas e competições em que eles participam e apontam aquilo que os filhos têm que melhorar. Estes pais devem deixar o treino dos filhos para seus respectivos treinadores.

Pais que gostariam de ter sido atletas

Vivem seus sonhos através dos filhos e encaram o esporte como se fossem eles os praticantes. Estes pais têm que tentar eliminar a postura de “ganar a qualquer custo” e lembrar que não são eles que estão competindo.

Pais que não ligam

Estes estão ocupados com o trabalho e outros asuntos de seu próprio interesse e que não prestam atenção ao desempenho esportivo dos filhos. Eles devem recordar que uma pequena atenção a seu filho pode ser suficiente para que ele melhores esportivamente.

Pais 5 estrelas 

Centra sua atenção no esforço da criança e não no resultado do jogo ou da competição. Respeita e agradece ao treinador, árbitros e adversários. São apoiadores e cientes de seu papel e importância quando estão assistindo a uma competição.

Tipos de pais 001

História do Basquetebol · Todos os posts

Datas históricas do basquetebol brasileiro: março

Amigos do Basquetebol

O mês de março nos traz acontecimentos importantes para o basquetebol nacional. Vale a pena relembrá-los

08 – Estreia da Seleção Feminina em Campeonatos Mundiais no Chile (1953)

As meninas fizeram o primeiro jogo na sua história em Mundiais. Vitória contra Cuba (50×31). O Brasil terminou o Campeonato realizado no Chile em 4º lugar. A equipe foi dirigida por Mário Amâncio Duarte e tinha como atletas: Aglae, Anésia, Ivone, Maria Aparecida Ferrari, Martha Helga, Nívea Figueiredo, Noêmia Assumpção, Wanda Lima, Coca, Nair Kanawati, Marly Gama e Cida Cardoso.

12 – Flamengo é campeão da Liga Sul-americana de Basquete (2009)

 O Flamengo venceu o Quimsa da Argentina (98×96) e sagra-se campeão da Liga Sul-americana de Basquete. Atletas: Duda Machado, Marcellus, Júlio Cesar, Daniel, Jefferson, Marcelinho Machado, Coloneze, Hélio, Alírio, Rafael, Wagner e Fernando. Técnico: Paulo Chupeta

15 – Paschoalotto Bauru conquista o título da Liga das Américas (2015)

O Paschoalotto Bauru conquistou o título da Liga das Américas ao vencer o Pioneros do México (86×72) em Bauru. Participaram desta inédita conquista: Larry Taylor, Ricardo Fischer, Gabriel, Gui Deodato, Alex Garcia, Tiago Matias, Wesley, Murilo, Patrick, Rafael Hettsheimer e Robert Day. Técnico: Guerrinha

22 – Flamengo conquista o título da Ligas das Américas (2014)

O Flamengo sagrou-se campeão da Liga das Américas ao derrotar o E.C. Pinheiros por 85×78. Atletas: Marquinhos, Washam, Olivinha, Gegê, Douglas, Felício, Marcelinho Machado, Danielzinho, Meyinsse, Shilton, Laprovítola e Chupeta. Técnico: José Neto.

CocaCoca – uma das estrelas brasileiras no Mundial de 1953