História do Basquetebol · Jogos Olímpicos

Os rapazes olímpicos do Basquetebol Brasileiro

Amigos do Basquetebol

É hora de atualizar o quadro da participação dos nossos atletas no Basquetebol Olímpico.

De 1936 até 2016 109 atletas tiveram a honra de representar o Brasil nos Jogos Olímpicos.

Oscar é o atleta com maior número de participações – 5, seguido de Algodão, Cadum, Marcel, Mosquito e Wlamir com 4 participações.

Segue o quadro completo de atletas e suas participações

3 – Succar, Rosa Branca, Pipoka, Marquinhos Abdalah, Israel, Gerson, Edvar, Edson Bispo, Ubiratan, Amaury e Adilson

2 – Alex, Alfredo Da Mota, Angelim, Brás, Carioquinha, Guerrinha, Giovannonni, Hélio Rubens, José Geraldo, José Luiz, Jatyr, Josuel, Joy, Leandrinho, Marcelinho Huertas, Marcelo Vido, Marquinhos, Maury, Mayr, Menon, Fernando MInucci, Nenê, Paulinho Villas Boas, Raulzinho, Rolando, Ruy de Freitas e Sérgio Macarrão.

1 – Albano, Alexandre Gremignani, Almir de Almeida, Montanarini, Anderson Varejão, André Stofl, Augusto Lima, Baiano, Benite, Bombarda, Fernando Brobó, Cacau, Caio Caziolatto, Caio Silveira, Caio Torres, Carmino, Coroa, Cristiano Felicio, Demétrius, Dodi, Agra, Évora, Fausto Sucena, Fransérgio, Fritz, Gilson, Godinho, Jamil Jedeão, Janjão, Jorge Dortas, Larry Taylor, Luiz Felipe, Zelaia, Luiz Gustavo, Mário Jorge, Marcelinho Machado, Marcus Dias, Marson, Massinet, Miguel Pedro, Moyses Blás, Nelson Couto, Nelson Monteiro, Nilo, Olívia, Pedro Cesar, Pavão, Radvilas, Rafael Hettsheimer, Rafa Luz, Rato, Raymundo, Rogério, Saiani, Scarpini, Silvio Malvezi, Thales, Thiago Splitter, Tião, Tonico, Vitor, Wagner, Waldmar e Waldyr Boccardo.

Maior Número de jogos

Oscar – 38; Wlamir – 33; Mosquito e Marcel – 29; Algodão – 27; RoEdson Bispo – 24; Adilson, Amaury, Gerson, Israel, Marquinhos Abdalah e Pipoka – 23

Cestinhas

Oscar – 1093; Wlamir – 537; Marcel – 377; Ubiratan – 356; Marquinhos Abdalah – 328; Amaury – 263; Algodão – 224; Israel – 221; Paulo Villas Boas – 218; Alfredo da Mota – 217; Menon – 214

Média de pontos

Oscar – 28,8; Wlamir – 16,3; Paulo Villas Boas – 14,5; Marquinhos Abdalah – 14,3; Leandrinho – 14,2; Alfredo da Mota – 13,6; Ubiratan – 13,2; Marcel – 13,0; Menon – 12,6; Amaury – 11,4; Huertas – 10,9; Angelim – 10,7; Carioquinha – 10,0.

oscarOscar – o maior pontuador de todos os tempos em Jogos Olímpicos, representou o Brasil em 5 edições dos Jogos Olímpicos (1980, 1984, 1988, 1992 e 1996)

Os medalhistas

1948 – Londres (Bronze): Évora, Marson, Alexandre Gemignani, Alfredo da Motta, João Francisco Braz, Marcus Vinícius, Massinet, Nilton Pacheco, Ruy de Freitas e Algodão

1960 – Roma (Bronze): Algodão, Amaury Pasos, Wlamir Marques, Blás, Mosquito, Fernando Brobó, Rosa Branca, Jatyr, Edson Bispo, Sucar, Waldir Boccardo e Waldemar Blatkauskas

1964 – Tóquio (Bronze): Amaury Pasos, Wlamir Marques, Ubiratan, Mosquito, Fritz, Rosa Branca, Jatyr, Edson Bispo, Sucar, Victor, Sérgio Macarrão e José Edvar.

Os técnicos

Renato Brito Cunha foi técnico em três edições dos jogos Olímpicos (1964, 1968 e 1984) com um recorde de 15 v – 10d.

Ruben Magnano dirigiu o Brasil em duas edições dos Jogos Olímpicos (2012 e 2016) obtendo 5V-7D. Ary Vidal tembém dirigiu o Brasil em duas oportunidades (1988 e 1996) com 8V-8D.

Também dirigiram o Brasil em Jogos Olímpicos:

Arno Frank (1936; 1v-3d); Moacyr Daiuto (1948; 7v-1d); Manoel Pitanga (1952; 4v-4d); Mário Amáncio Duarte (1956; 3v-4d); Kanela (1960; 6v-2d); Pedro Murilla Fuentes – Pedroca (1972; 5v-4d); Cláudio Mortari (1980; 4v-3d); José Medalha (1992; 4v-4d).

Os medalhistas:

Moacyr Daiuto (1948 – Bronze); Kanela (1960 – Bronze) e Renato Brito Cunha (1964 – Bronze).

Historico_RBC

Brito Cunha – medalhista de bronze em 1964 – técnico que dirigiu o Brasil em 3 edições dos Jogos Olímpicos (1964 – 1968 e 1984)

Anúncios